Por Carol e Babinho

Tudo o que você precisa saber antes de ir pras Ilhas Maldivas

Tudo o que você precisa saber antes de ir pras Ilhas Maldivas

Dhigurah - Ilhas Maldivas

Sim, as Ilhas Maldivas são o verdadeiro paraíso! Nós já viajamos muito por esse mundão e podemos afirmar com propriedade que as Ilhas Maldivas são um dos locais mais sensacionais desse planeta. E tem infinitamente mais coisas a oferecer além de bangalôs sobre a água  – que também são imperdíveis. Nesse artigo, vamos te falar tudo o que você precisa saber antes de viajar para as Ilhas Maldivas.

Sem falta modéstia, este artigo está surpreendente! Ele inaugura uma série de artigos que é o material mais completo sobre as Ilhas Maldivas disponível, em português, na Internet. Estamos compartilhando informações que pesquisamos muito para a nossa viagem, que inclui: ilhas locais com cultura muçulmana, um dos melhores resorts do mundo, mergulhos, snorkel com aglomerações de arraia manta, snorkel com tubarão baleia, banco de areia, maneiras de economizar (e MUITO!) na sua viagem e muito mais!

Tubarão baleia Maldivas Dhigurah
Tão sonhado encontro com tubarão baleia na ilha de Dhigurah, nas Maldivas

Se você pretende visitar as Ilhas Maldivas, temos certeza que esse artigo vai te ajudar pra caramba! Bem mais do que um review de hotel, este é um artigo sobre o país Maldivas e sobre as milhares de possibilidades (e de encantos!) que ele oferece. Vem com a gente que vamos te mostrar tudo o que você precisa saber antes de viajar para as Ilhas Maldivas!

1. TAXA DE 22% NAS ILHAS MALDIVAS SOBRE TUDO!

A primeira informação essencial que você deve saber é sobre a taxa de 22%, aplicável a tudo nas Ilhas Maldivas! Isso mesmo, sobre qualquer preço (hotel, passagem, passeios, comida ou mesmo um refrigerante), você deve somar o valor de 22% ao preço.

Esse dado vai te ajudar bastante na hora de calcular os preços e custos da sua viagem, tornando o orçamento mais realista. Fique ligado, porque, normalmente, eles colocam assim: um passeio que custa 100 doláres mais as taxas, por exemplo, fica assim “US$ 100++”. Então, você já sabe, quando tiver esses símbolos de “mais” aí ao lado significa que o preço pode subir bastante…

Mas, independentemente do símbolo, a taxa de 22% se aplica a tudo, a não ser que venha escrito que o valor já contempla impostos e taxas – o que é bem raro. Depois dessa bomba, podemos falar agora propriamente sobre o país, rs…

Amilla Resort - hotel Ilhas Maldivas
Nosso bangalô no Amilla Resort

2.ILHAS LOCAIS NAS MALDIVAS

A segunda informação – que muita gente desconhece e que é muito importante pra entender as Maldivas – é que há dois tipos de ilhas: as ilhas locais, em que vive a população maldiva; e os resorts, que ficam em ilhas privativas.

Embora muitas vezes estejam localizados bem perto – há ilhas locais que são exatamente ao lado de resorts -, eles são completamente diferentes um do outro. Já adiantamos que amamos viver os dois tipos de experiência e, por isso, na nossa opinião, vale muito a pena combinar um resort com uma ilha local em uma mesma viagem.

Os resorts ficam em ilha privativa, normalmente acessíveis apenas por hidroavião ou barco, e oferecem aos hóspedes conforto e paisagens deslumbrantes. As ilhas locais oferecem hospedagem mais simples, contato com o povo e com a cultura e paisagens igualmente deslumbrantes.

Ilha local - Maldivas - Dhigurah
Praia na ilha local de Dhigurah

Como as Ilhas Maldivas são um país muçulmano, há várias informações sobre as ilhas locais que você precisa saber antes de ir. A primeira delas é que as pessoas não podem usar biquíni na praia. Isso mesmo, pela cultura local, as mulheres e homens só podem entrar na água com roupa até os joelhos e com mangas.

Há, porém, uma exceção! São as “bikini beach”, que normalmente ficam na frente dos hotéis e pousadas, em que é permitido usar roupa de banho. Por isso, se você for a uma ilha local, cheque antes com o seu hotel se a “bikini beach” fica perto de onde você estará hospedado.

Outra informação importante é que não é permitido beber ou comercializar álcool nas ilhas. E não há exceção! O mais perto de bebida alcóolica que você vai chegar é uma cerveja sem álcool, hehe. E, se você está se perguntando: sim, nos resorts é permitido álcool à vontade!

Ilha local Maldivas - Baa Atoll - Dharavandhoo
Passeio de bicicleta na Ilha local de Dharavandhoo

E outro fator super relevante é que as ilhas locais são infinitamente mais baratas que os resorts. É possível se hospedar em uma ilha local por US$ 50 o casal, a diária. Além disso, se você, como a gente, curte fazer passeios, a diferença de preços é gigantesca. Mas, nos próximos tópicos, vamos falar mais sobre essa questão de preços.

Nós, pessoalmente, amamos conhecer uma ilha local maldiva! As pessoas são muito sorridentes e nos trataram muito bem, apesar da diferença de cultura. A gente amava sair passeando pela ilha de bicicleta no entardecer e ver os moradores jogando vôlei nas quadras, famílias interagindo, etc.

Nos próximos dias, vamos escrever um artigo aqui no blog contando em detalhes como é a experiencia de ficar em uma ilha local.

Ilha local Maldivas - Dhigurah
Nós na maravilhosa ilha local de Dhigurah

3. RESORTS NAS MALDIVAS

Há uma infinidade de resorts maravilhosos nas Maldivas! Nós conhecemos várias pessoas que foram, cada um para um resort diferente, e todos amaram. É uma combinação meio difícil de dar errado, né: comida e bebida maravilhosas, atendimento de primeira e uma paisagem de tirar o fôlego.

Mas há algumas coisas que você deve saber antes de escolher o seu resort. Se você pesquisar por Maldivas no Booking.com, vai ver que aparecerão dezenas (talvez centenas!) de excelentes opções. E, como você já sabe, há uma taxa de 22% a ser aplicada no preço das diárias.

Você vai encontrar resorts de várias categorias, de R$ 2.000,00 a R$ 40.000,00 a diária. E uma informação super relevante é que, para chegar à grande maioria desses hotéis, você precisará pagar um hidroavião e o preço, em regra,  é bem salgado.

Hidroavião Ilhas Maldivas
Hidrovião nas Ilhas Maldivas

No resort em que nos hospedamos, por exemplo, o Amilla – que amamos de paixão –  o hidroavião era US$ 600 por pessoa! Nós optamos por pegar um voo doméstico até a cidade de Dharavandhoo (USS 185 por pessoa), e, depois de passarmos alguns dias lá, pegamos um barco para o Amilla (que custou US$ 90 por trecho, para nós dois).

Em resumo, há também os voos domésticos, em aeroportos espalhados pelas ilhas locais do país. Normalmente, esse voo precisa ser combinado com um speedboat, que te buscará no aeroporto da ilha local e te deixará na ilha do resort. O hidroavião é muito mais legal, é claro, mas a diferença de preço pode ser gigantesca!

De toda maneira, o que você deve fazer, antes de fechar um resort, é avaliar como você pode chegar lá e, o mais importante, quanto isso custará. Essa é uma informação que você deve saber logo no início da sua pesquisa, para evitar surpresas posteriores.

Amilla Resort - Hotel nas Maldivas 1
Nosso bangalô no Amilla Resort

diversos resorts perto de Male (a capital das Maldivas, onde fica o aeroporto internacional), que são acessíveis por meio de barco, que são, em regra, mais baratos que o hidroavião. Dê uma checada se essa opção é possível no resort que você está namorando.

Outro fator a se levar em consideração nos resorts é o plano alimentar: ou seja, se você vai ter direito a somente café da manhã, meia pensão, pensão completa ou all inclusive, incluídos no valor da diária. Em regra, a meia pensão é café da manhã e jantar, que foi o nosso plano escolhido no Amilla Resort.

Lá, o café da manhã é muito, muito farto (uma coisa estratosférica mesmo, de cinema!), no estilo buffet. E o jantar é à lá carte, em um dos restaurantes disponíveis, com 3 etapas (entrada, prato principal e sobremesa). Para nós, foi perfeito.

Amilla Resort - Hotel nas Maldivas
Café da manhã sensacional no Amilla Resort!

Mas há também a opção de pensão completa, que inclui café da manhã, almoço e jantar. E o all inclusive, que, além dessas refeições, inclui também a bebida. Cada hotel opera o plano alimentar de uma maneira; então, você precisa avaliar bem direitinho as opções do seu resort e escolher a que melhor se adequa ao seu caso.

E isso é fácil de ser feito: entre no site do seu resort e pesquise sobre os “meal plans”. Você encontrará o valor de cada opção (lembre-se da taxa de 22%!). Depois disso, vá no cardápio de cada restaurante e veja os preços das refeições que você pediria, das bebidas que tomaria… e faça a conta se vale a pena.

Quer um exemplo? Este é o valor no nosso hotel Amilla Resort. Perceba que, de meia pensão para pensão completa, aumenta U$$ 40 por pessoa na diária. Ou seja, US$ 80 o casal (mais taxas!). E a diferença é um almoço de 2 etapas na pizzaria, em um café ou no restaurante da piscina.

No nosso caso, achamos que não valia a pena pagar esse valor a mais. Justamente porque vimos que o café da manhã é muiiiita comida e o jantar tem 3 etapas, a partir das 19hs. Optamos por dividir uma pizza no almoço ou cada um comer uma massa, que sairia bem mais barato que os US$ 80 de diferença. Por isso, optamos pela meia pensão e achamos que foi uma decisão super acertada!

Se você bebe e for ficar hospedado no Amilla, por exemplo, a conta que você precisa fazer é se os US$ 70 de diferença entre a pensão completa e o all inclusive por pessoa (ou seja, US$ 140 o casal + taxas) vale a pena. E como fazer isso? Olhando o pacote de bebidas e o preço de cada uma delas. Essa resposta é completamente individual! Só você sabe o que você bebe ou come e se essa diferença, no seu caso, vale a pena, financeiramente falando.

Então, a solução é estudar bastante as opções no próprio site do hotel. Fique ligado porque, em alguns resorts mais simples, há também a opção de pensão completa com buffet na hora do almoço a preços mais acessíveis. Pode ser uma boa opção…

Amilla Resort - Hotel nas Maldivas
Nossa rede privativa no bangalô no Amilla

E também preste atenção se, no seu resort, a opção de meia pensão ou pensão completa contempla todos os restaurantes do resort. Às vezes, alguns restaurantes específicos ou mesmo alguns pratos mais caros (normalmente lagosta ou camarão) precisam ser pagos à parte, total ou parcialmente.

4. PASSEIOS NAS ILHAS MALDIVAS

Há muito o que fazer nas Maldivas! Aliás, nós não escolhemos as Maldivas para passar nosso 5º aniversário de casamento somente para ficar em um hotel. Nós escolhemos as Maldivas por tudo o que esse país fantástico tem para oferecer (inclusive o hotel, rs). Temos um vídeo no instagram falando sobre isso, acesse aqui.

As Maldivas são um dos países mais incríveis do mundo, em relação à vida marinha. Arraia manta gigante, tubarão baleia, tartarugas, tubarões, lagostas, moreias e muitos, muitos peixes. Fizemos vários snorkel em frente aos hotéis nas Maldivas que são melhores do que muitos mergulhos que já fizemos pelo mundo afora.

Ilha local Maldivas - Dhigurah - banco de areia
Banco de areia na Ilha de Dhigurah

Algumas das atividades que você pode fazer nas Maldivas:

– ficar hospedado em um bangalô sobre a água (essa é a mais clássica delas, né?);

– conhecer um restaurante submerso;

–  visitar as ilhas locais;

– curtir e fotografar um banco de areia;

– fazer snorkel;

– surfar e fazer esportes aquáticos.

Ah, importante! Tome muito cuidado com as suas expectativas porque grande parte das fotos que a gente vê das Maldivas são de atividades “extra”, que requerem um pagamento à parte: um piquenique no banco de areia, café da manhã flutuante na piscina, jantar privativo na praia…

No nosso caso, ganhamos um jantar privativo na praia do Amilla. A coisa mais linda e surpreendente do mundo! Vimos a decoração de longe com velas em formato de coração, fomos andando até lá e ficamos babando, tirando muitas fotos. Voltamos para o restaurante e sentamos, e aí descobrimos que tudo aquilo era pra gente!

Amilla Resort - Jantar privativo na areia
Jantar privativo na areia no Amilla Resort

Muitas pessoas também vão para as Maldivas para ficar em um liveaboard. Para quem não sabe, são barcos em que você fica hospedado. Dorme, come, toma banho… tudo lá dentro.  Nós já fizemos alguns liveaboard (na Grande Barreira de Corais, na Austrália e em Abrolhos, por exemplo) e amamos! É uma delícia acordar já no marzão, prontos pra aproveitar toda aquela vida marinha.

Nas Maldivas, os liveaboards mais comuns são para surfar e para mergulhar. Apesar de sermos mergulhadores avançados, não optamos por fazer um liveaboard dessa vez, porque demos prioridade para nadar com tubarões baleia e arraias manta, como explicamos abaixo.

As Maldivas são um dos melhores lugares do mundo para nadar com esses gigantes do mar! A Baía de Hanifaru, no Baa Atoll, acumula uma quantidade enorme de plâncton e, por isso, reúne dezenas – e, às vezes, até centenas! – de arraias manta. Tubarões baleia também são bem comuns por lá.

Arraia Manta - Hanifaru Bay - Maldivas
Snorkel com arraias manta na Hanifaru Bay, no Baa Atoll

A Baía de Hanifaru fica a 5 min de barco da cidade de Dharavandhoo, ilha local onde tem um aeroporto. Assim que chegamos a Male, capital do país, pegamos um voo interno até Dharavandhoo, onde ficamos hospedados por 3 dias.

Depois desses 3 dias, pegamos um barco até o Amilla Resort, para passar mais quatro dias. A Baía de Hanifaru fica a uns 20 min de barco do Amilla e de vários outros resorts localizados no Baa Atoll. Portanto, é possível fazer esse passeio das arraias manta saindo tanto da cidade de Dharavandhoo quanto dos resorts.

Há, entretanto, um detalhe muito relevante: saindo da ilha local, o passeio de snorkel com as arraias manta custa US$ 60 por pessoa. O mesmo passeio, no mesmo local, saindo dos resorts, custa, em regra, US$ 175 por pessoa – ou seja, 3 vezes mais.

Tubarão baleia Maldivas Dhigurah
Passeio para nadar com o tubarão baleia, saindo da ilha local de Dhigurah

No nosso caso, nós estávamos dispostos a fazer esse passeio mais de uma vez; então, essa diferença é bem relevante. O mesmo acontece no caso dos tubarões baleia… Vale lembrar que esses são passeios na natureza, com animais selvagens, então não há garantia de que você conseguirá nadar com os bichos na primeira tentativa.

Por isso, se você, como a gente, for dividir a sua estadia entre resort e ilha local, nossa sugestão é que você faça todos os passeios e mergulhos na ilha local e deixe para curtir o resort nos dias em que estiver hospedado lá.  Fizemos assim e gostamos muito de ter tomado essa decisão!

5. MELHOR ÉPOCA PARA IR ÀS ILHAS MALDIVAS

Tudo foi tão maravilhoso na nossa viagem que quem nos acompanhou pelo Instagram nem deve ter imaginado que o mês em que fomos, setembro, não é a melhor época para conhecer as Maldivas, rs.

De maneira geral, a melhor época para ir às Maldivas é entre novembro e abril, em que chove bem menos, o céu fica mais azul e o mar ainda mais cristalino. É a alta temporada e, por isso, os preços ficam mais salgados.

Amilla Resort - Hotel nas Ilhas Maldivas
Pôr do sol na piscina do nosso bangalô

Os meses de maio a outubro são a época das monções, em que chove um pouco mais e os dias podem ficar nublados. Entretanto, ainda faz bastante calor e os preços ficam mais em conta. Nós fomos no mês de setembro e ficamos 12 dias lá. Pegamos uns dois ou três dias nublados e um dia de chuva. Podemos dizer que o tempo não nos atrapalhou e que pudemos economizar bastante com os preços.

Normalmente, a chuva é rápida, como uma chuva de verão, e o tempo pode abrir em poucas horas. No nosso caso, fizemos o passeio para ver tubarão baleia na ilha de Dhigurah em um dia de muita chuva (o passeio era de manhã e foi adiado pra tarde) e conseguimos avistá-lo ainda assim! Foi um dos dias mais incríveis da nossa vida!

Mas, se você for nessa época das monções, tenha em mente que o tempo pode não estar dos melhores. Nós decidimos ir nessa época porque era a melhor época para ver as aglomerações de arraia manta na Hanifaru Bay e, também, porque era o nosso aniversário de casamento.

Amilla Resort - Hotel nas Ilhas Maldivas 3

6. DOCUMENTAÇÃO E DINHEIRO NAS ILHAS MALDIVAS

Para ir às Maldivas, o que todo brasileiro precisa é de um passaporte válido e certificado internacional de vacina contra a febre amarela. Fique ligado porque ouvimos muitos relatos de brasileiros que não conseguiram entrar no país porque não tinham a vacina contra a febre amarela.

Ao desembarcar em Male, após o posto da imigração, os brasileiros são direcionados a um guichê em que precisam mostrar o certificado internacional de vacinação. Fique ligado nisso!

Além disso, por conta da pandemia, precisamos levar também um teste PCR-RT negativo de Covid, feito nas 72 horas antes do primeiro embarque com destino às Maldivas. Como essas regras estão mudando a todo momento, é bom conferir direitinho alguns dias antes do embarque se essas regras permanecem as mesmas.

Ilha local Maldivas - Dhigurah 2
Banco de areia na ilha local de Dhigurah

A moeda das Maldivas é a rúpia. O ideal é levar dólares e, se for pra alguma ilha local, trocar por rúpia. Nos resorts, eles, em regra, trabalham somente com dólar. Inclusive, queríamos pagar algo em rúpia no Amilla e eles não aceitaram.

7. O QUE LEVAR PRAS ILHAS MALDIVAS

Vimos tanta gente no aeroporto com umas malas gigantescas pras Maldivas, que juro que ficávamos tentando adivinhar o que tinha dentro daquelas malas, rs… Não há segredo: chinelo, rasteirinhas, roupa de banho, filtro solar, protetor labial, boné, viseira, camisa de manga longa com proteção UV.

Uma boa máscara de mergulho e um snorkel são uma ótima pedida, apesar de os hotéis nas ilhas locais e os resorts normalmente emprestarem, sem custo adicional. Por outro lado, não vemos vantagem em levar nadadeiras, porque os hotéis fornecem e são muito grandes e pesadas pra carregar.

Snorkel Ilha local Maldivas - Dharavandhoo - Baa Atoll
Babinho e uma moreia no snorkel no Baa Atoll

Agora o que é imprescindível são aquelas sapatilhas de neoprene, porque protegem os pés dos corais. Tá certo que escolhemos ilhas que tinham muito coral na praia (afinal, quanto mais coral, mais vida!), mas recomendamos fortemente que você leve uma, independente da ilha em que for. Vai te dar mais segurança para explorar a área.

Também sugerimos levar repelente, porque as ilhas nas Maldivas têm muita vegetação e, com isso, muitos mosquitos também. Alguns resorts costumam dar uma bolsa de praia (foi o caso do Amilla!), então você pode economizar esse espaço na mala, se o seu fornecer uma também…

DICAS FINAIS

Bom, este é nosso artigo inicial sobre as Ilhas Maldivas, com informações muito úteis e relevantes, que a gente não costuma encontrar por aí na Internet. Nos próximos dias, vamos lançar outros artigos aqui no blog, contando em detalhes nossas experiencias nas ilhas locais, no Amilla Resort, mergulhando com arraias manta e tubarão baleia, roteiro, custos e nossas opiniões pessoais, baseada na nossa experiência.

Amilla Resort - Hotel nas Maldivas
Amilla Resort, o melhor hotel em que já nos hospedamos na vida!

Pra ser bem sinceros com você, estamos amando escrever sobre as Maldivas. Foi umas melhores viagens da nossa vida e amamos conhecer e viver experiências tão inusitadas. Se não acompanhou nossa viagem “ao vivo” pelo Instagram, sugerimos que você dê uma olhada no destaque “Maldivas”, que tem muito conteúdo divertido e bacana por lá.

Caso o seu voo para essa ou qualquer outra viagem tenha sido alterado ou dado overbooking, sugerimos uma leitura no nosso artigo que explica como ganhamos mais de R$ 14.000,00 em indenizações de companhias aéreas, sem entrar na justiça, apenas por procedimentos administrativos. Mas, se você preferir ajuda para requerer seus direitos, indicamos a Voe Tranquilo, que cuida de tudo pra você e só cobra pelo serviço se você receber o valor a que tem direito.

E, se você é fã de águas cristalinas e muita aventura, sugerimos nosso artigo das Ilhas Fiji. Ou, se você é fã de mergulho, acesse o nosso guia completo de mergulho e de snorkel em Noronha.

Até a próxima aventura,

Carol e Babinho

 

Planeje sua viagem

chip internacional

INTERNET NO EXTERIOR

seguro viagem

SEGURO VIAGEM

aluguel de carro

ALUGUEL DE CARRO

passagens aereas

PASSAGENS AÉREAS

Rolar para cima